Eu tenho saudade desse dia…

… só queria registrar aqui.

I don’t need a guiding light to lead me in the dark

Anúncios

Mais uma tietagem

Quando eu tenho a oportunidade de chegar perto de algum artista que admiro, não me faço de rogada não (vide ano passado, com repeteco também em agosto, aqui, aqui e aqui, porque eu sou cara de pau sim). É que eu fico meio embasbacada, poxa! Não é que eu seja daquelas tietes alucinadas, mas é que eu realmente gosto de chegar perto do artista em questão para, minimamente, agradecer por ele fazer uma obra que me toque tanto.

Eu não sou aficcionada por atores, globais ou não. Gosto especificamente de músicos e cartunistas (venha Liniers quantas vezes vier a São Paulo, que eu vou dar um jeito de pegar um autógrafo – quem sabe ele não autografa todos os meus Macanudos? :D)

E foi isso o que eu disse pro Ben Kweller, semana passada, no Sesc Vila Mariana: thank you so much!

703871_392629724156363_356767289_o
Ben, eu e meu vinil autografado <3

Bacana é quando o cara dá abertura. Não quer dizer que ele vá se fazer de íntimo, mas acho bacana esses artistas que dão importância para a troca com seus fãs. E o Ben estava vendendo seu próprio merchandising antes e depois do show. Claro, sempre conversando minimamente e sendo simpático com quem chegava perto.

315742_500238893331942_293544640_n
Fernando-Morzão, eu, Ben, Karen, Felipe, Lie e Vini

305930_500238846665280_1664355565_n
E a última, eu, Ben e Karen, que juntas sempre curtimos o som dele

No fim, só me resta repetir: thank you so much, Ben! Tanto pelo show incrível quanto pela gente-bonice ;)

Eu não consigo me desligar de quarta-feira.

Eu ainda não sei o que dizer sobre a última quarta-feira, então vou colocar só uma foto pra ilustrar minha felicidade:

(via)

Vi Teenage Fanclub ao vivo, de frente para o Gerard, e nada mais será igual. Ainda estou sem palavras, mas quero frisar que estou muito, muito feliz. Aqueceu meu coração, como diz um amigo :)

E hoje ainda tem Superchunk, de graça, na minha cidade. Surreal, sim.

Querido Per,

Fiquei feliz em te rever, meu velho amigo. Tão bom saber que a sua voz continua agradável e que continua também entrando tão facilmente nos meus ouvidos. É gratificante perceber que estamos velhos, e que eu envelheci com você. Mas na quinta feira passada, você fez eu me sentir novamente como uma garotinha de 11 anos, de cabelinho chanel, que era apaixonada por você. Sim, essa coisa que as meninas têm. E era tão difícil encontrar foto sua, mas eu me inscrevia em fã-clubes e recebia fanzines pelo correio para ter mais informações suas. Quão velho é receber um fanzine? Pois é, prova de que envelhecemos. Agora, no auge dos meus 28 anos, preciso dizer que acho que você continua lindo.

Fiquei também muito feliz em poder presenciar Marie, depois de tudo, conseguindo atingir notas tão altas.

Obrigada por terem tocado Silver Blue! Foi inesperado! Lá no fundão, só eu e meu amigo Glaucio sabíamos cantar. O Glaucio é pequeno como eu, porém tem alguns centímetros a mais e pôde fazer essa foto que estou usando para ilustrar esta carta.

Obrigada, Per, por trazer o Roxette de volta para o Brasil. Pude realizar um sonho de criança. E rever vocês. Quanto tempo, não é mesmo?

We’re all magic friends.

Muitos beijos,

Maria R.